Contenido principal del artículo

Resumen

O filme Libelu-Abaixo a Ditadura!, vencedor na edição 2020 do festival Tudo é verdade, em São Paulo, Brasil, o principal evento no país entre os festivais de documentário, e mundialmente reconhecido, hoje integrante das indicações do Oscar, é aqui analisado criticamente num ensaio que procura explicar seu ponto de vista em relação à experiência concreta dos estudantes que participaram daquele momento político na universidade brasileira na segunda metade dos anos 1970. A tendência estudantil Liberdade e Luta, de orientação trotskista, conhecida como Libelu, desempenhou papel destacado na reabertura política, entre outros motivos por levar ao espaço público as primeiras manifestações políticas no país desde 1968 e a palavra de ordem Abaixo a Ditadura! O ensaio se interessa por temas subjacentes e evocados pelo documentário em torno do combate à Ditadura (1964-1985), incluindo os debates entre as esquerdas, a contracultura e as questões da vanguarda nas artes e na cultura.

Palabras clave:
Cinema brasileiro contemporâneo; cinema documentário político; comportamento contracultural de esquerda; lutas anti-ditatoriais brasileiras; movimento estudantil dos anos 1970; Trotsky, as artes e a cultura;

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Métricas

Cargando métricas ...

Detalles del artículo

Cómo citar
Machado, R. (2022). Picadinho de Libelu à la carte, sem pimenta, pouco sal (Versión en portugués). Ñawi, 6(2), 127–147. https://doi.org/10.37785/nw.v6n2.a8

Citas

AA.VV. (1979). Textos Cine-Olho: Buñuel, Godard, Jerry Rubin, Yoko Ono, David Cooper, Caetano Veloso, John Cage, Dziga Vertov, Antonio Risério, Luiz Rosemberg. São Paulo; Rio: Cineclubefau, Cineclube Luz Vermelha; Centro de Artes Cinematográficas-CAC/PUC-RJ.

Adorno, T. W. (2008) [1969]. Teoria estética. Lisboa: Edições 70.

Assayas, O. (2005). Une Adolescence dans l’Après Mai: Lettre a Alice Debord. Paris: Cahiers du cinéma. Breton, A. & Aragon, L. (1978). Surrealismo frente a realismo socialista. Barcelona: Tusquets.

Breton, A. & Trotski, L. (1985) [1938]. Por uma arte revolucionária independente. São Paulo: Paz e Terra, CEMAP. Freire, P. (2005) [1968]. Pedagogia do oprimido. Rio: Paz e Terra.

Greenberg, C. (1977). Actitudes de vanguardia: el arte nuevo de los años sesenta. En Interpretación y análisis del arte actual. Pamplona, España: EUNSA.

Lacan, J. (1988) [1960]. O amor ao próximo. In O Seminário, livro 7: a ética na psicanálise. Rio: Jorge Zahar. Löwy, M. (2002). A estrela da manhã: surrealismo e marxismo. Rio: Civilização Brasileira.

Marcondes Filho, C. (2009). Dicionário da Comunicação. São Paulo: Paulus.

McLuhan, M. (1969). [1967]. O meio é a mensagem. In Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix.

Suzuki Jr., M. (20/09/1997). Libelu era trotskismo com rock e fuminho. Folha de S. Paulo, Ilustrada. Trotsky, L. (1969) [1924]. Literatura e Revolução. Rio: Zahar.

Trotsky, L. (1979) [1923]. Questões do modo de vida: A época do ‘militantismo cultural’ e as suas tarefas. Lisboa: Antídoto.


Sección
ARTÍCULOS

Comentarios y sugerencias sobre el artículo

Director General

Miguel Alfonso Bouhaben, PhD.
ESPOL - FADCOM

Directora Ejecutiva

Nayeth Solorzano, PhD.
ESPOL - FADCOM